29/05/2017

A fadinha do macarrão










Morgana era uma bruxinha,
que gostava de cozinhar,
mas em algumas comidas,

as vezes ao preparar,
costumava se atrapalhar.

Uma destas é bem simples,
que muita gente come de domingo.

Sim, o amado macarrão!

Que tristeza!

Ela pensava:
- Como deixá-lo perfeitinho?
- Quero agradar ao querido e exigente bruxinho.

As vezes passava do ponto,
ficando a massa muito amolecida,
ou acontecia exatamente o contrário.

O bruxinho ficava irritado e dizia:
- Vamos trocar de marca e quem sabe dará certo?

E lá iam os dois procurar,
uma maneira de deixar,
o macarrão "al dente" ficar.

Um belo dia Morgana,
nossa dedicada bruxinha,
pediu ajuda as fadinhas,
e uma delas muito simpática,
apareceu em sua mente.

Era a fadinha cozinheira,
que adorava ajudar as donas de casa,
e todos que gostavam de cozinhar.

A fadinha cozinheira,
ficou cuidando da macarronada,
enquanto a bruxinha Morgana,
cuidava com carinho,
de sua amada casinha.

A bruxinha pôs o molho bem vermelhinho,
as ervinhas e temperos,
e este ficou tão perfumadinho!

A fadinha jogou com sua varinha,
um pozinho mágico,
que só as fadas conhecem,
feito com muito esmero,
por todos de seu reino encantado.

E não é que deu certo?

O macarrão ficou pronto,
nem empapado ou endurecido,
mas do modo correto,
que agradou demais ao casal de bruxinhos.

A fadinha ficou muito feliz,
de poder ter auxiliado,
e agradeceu à bruxinha,
por ter se lembrado dela.

Uma boa refeição feita com carinho,
sempre faz bem ao coração!



Elza Ghetti Zerbatto


imagem: https://pixabay.com

23/05/2017

O que há no olhar de um cão?






 




O que há no olhar de um cão que tanto encanta?
emoção,
profundidade,
verdade,
amizade,
devoção,
alegria,
pureza.

Olhar dentro de seus olhos remete,
á uma grandeza de alma,
como um lago tranquilo,
uma presença firme e leal,
a sabedoria e apoio,
representados em seus gestos de dignidade.

Capacidade de perdoar rapidamente,
que nós seres humanos não temos.

Seus olhos leem nossa alma,
sabendo de tudo que se passa,
dentro de nós mesmos,
sem que percebamos.

Olhos iluminados,
que tantas vezes,
por crerem demais,
sofrem atrocidades,
e mesmo assim,
continuam a amar.

Incrível e inacreditável,
o que há no olhar de um cão!

















Elza Ghetti Zerbatto

15/05/2017

Três tomatinhos











Ao fundo sob o céu azulado de outono,
num lindo vasinho,
junto a outras plantinhas,
brotam alegremente,
três tomatinhos.

Ao observar-se seu crescimento,
nota-se a força e a beleza,
da transformação da grande Mãe Natureza.

De um singelo pontinho marrom,
vão surgindo lindas florzinhas,
delicadas e amarelinhas,
que vagarosamente mudam-se,
pra forma de bolinhas verde clarinhas.

E estas pequeninas graciosamente,
vão se avermelhando,
até tornarem-se lindos tomatinhos.

Quanto tempo e trabalho,
de vital importância,
dentro da cadeia alimentar,
que encanta e nutre,
tantos seres direta e indiretamente,
com sua métrica perfeição!

À maravilhosa e digna Mãe Natureza,
devemos respeito e eterna gratidão!


Elza Ghetti Zerbatto

imagem: www.baixaki.com.br























09/05/2017

Carmen e Carmencita, as ciganitas









 

No imenso, belo e florido campo,
Carmen está sentada,
enquanto á sua frente e em pé,
encontra-se a pequenina Carmencita.

A união de duas gerações,
o presente e o futuro,
trocam olhares e energia.

Carmencita quer ir brincar,
por entre as flores correr até se cansar.

Ela é uma linda ciganita,
de apenas três anos,
com seus longos e pretos cabelos,
divididos entre duas tranças.

Carmen a olha com carinho,
e tranquilamente diz:
- Filhinha, deves aqui ficar.
- Veja as nuvens escuras.
- Logo choverá, é perigoso ir para lá.

Carmencita fica emburrada,
cruzando os bracinhos,
pois assim não poderá se divertir.

- Mamãe, deixe eu ir. - diz ela contrariada.

Carmen responde-lhe:
- Filha está vendo aquelas árvores ali á frente?
- Sim mamãe.
- Aquela maior sou eu. - diz Carmen.
- E a pequena? - diz Carmencita.
- É você querida. - diz Carmen.
- O dever da árvore grande é proteger a pequena árvore. - diz Carmen.
- Por que? - indaga Carmencita.
- Porque ela conhece os mistérios da natureza, mais do que a menor.

Carmencita olha para a mãe, e para a árvore menor.
- Mamãe, se chover você vai me proteger?
- Claro filhinha!
Carmencita corre para o campo florido e Carmen a pega pelo braço.
- Venha amada, vamos esperar o sol voltar.
- Contarei estórias de nosso povo para você, até a chuva passar.
- Aqui estamos bem guardadas, e nada de mal nos acontecerá.
- Sabe as nuvens escuras do céu?
- Sim mamãe.
- Elas dão medo a todos, então devemos a respeitar.
- Por que?
- Porque com a natureza não se pode brincar. - enfatiza categoricamente Carmen.
Carmencita olha a mãe com carinho e diz:
- Mamãe conta estórias bonitas para mim?
- Claro filhinha!
Então Carmen relata detalhadamente velhos contos, e lindas estórias do seu amado povo, até que o sol brilhe novamente.
E nesse momento de pura sabedoria e magia, se fortaleceram os laços de cumplicidade e amizade, existentes entre o que há de mais valioso para os ciganos: a família.




Elza Ghetti Zerbatto

Desejo a todas mães um feliz e florido dia!

abração com carinho


imagem: www.sopapeldeparede.com.br






02/05/2017

Castelos de meu país (Mais uma atividade do MICA)


Castelos :  
Encanto e magia para crianças e adultos


 Pintura acrílica sobre telas de Maria Nilce Garcia Nicodemos - Professora e voluntária do MICA



Desenhos de Crianças e Jovens do Brasil e de vários países em:
Coletâneas do Concurso Internacional do MICA "Castelos de meu país"
Exposições no antigo Palácio do Governador 




Local: Parque Estadual Alberto Lofgren 
Rua do Horto, 931 - Tremembé - São Paulo - Capital
Período da exposição de 12 de abril a 21 de maio 
Visitas: diariamente das 8 ás 17 horas
Entrada franca

Imagens e informações pertencentes ao blog do MICA,  e autorizadas pela proprietária para fins de divulgação aqui.

http://artmica.blogspot.com.br/













26/04/2017

Tímida lua cheia














Tímida lua cheia,
brilha fortemente no céu.

Porém ao se olhá-la se esconde,
em pequenas nuvens,
que a encobrem secretamente,
como um sutil véu,
intensificando mais sua força,
graça e mistério.

Tímida lua cheia,
deixa sua magia ser sentida,
mas fica tão acanhada,
ao ser admirada!

Confia em tua luz,
Ó poderosa lua cheia!

Sua beleza tão encantadora,
a todos envolve e desnorteia!


Elza Ghetti Zerbatto

imagem: www.baixaki.com.br

19/04/2017

O indiozinho quer (Homenagem ao dia do índio)












O indiozinho quer subir na árvore,
nadar no rio livremente.

O indiozinho quer dançar,
sob a luz do luar,
ao redor do fogo circular alegremente.

O indiozinho quer brincar,
como todos os bichos da floresta,
correr pra lá e pra cá,
fazer uma grande festa.

O indiozinho gosta de contar estrelas no céu lentamente.

Quer também caçar,
para sentir-se valente.

O indiozinho adora ouvir atentamente,
as estórias de seu povo,
e aplaude animadamente.

O indiozinho é tão inocente!

Que Tupã proteja sua alma e coração,
e a imensa pureza de sua mente!

Elza Ghetti Zerbatto

imagem: www.baixaki.com.br

A fadinha do macarrão

Morgana era uma bruxinha, que gostava de cozinhar, mas em algumas comidas, as vezes ao preparar, costumava se atrapalhar. Uma d...